Ordo Virginum

ov.jpg
Baixe o documento sobre a Ordo Virginum: Instrução Ecclesiae Sponsae Imago
Qual a origem desta consagração?

A origem da Consagração Ordo Virginum é evangélica e tem por fundador o próprio Jesus. Faz alusão às santas mulheres entre os séculos I e III d.C (período de perseguição aos cristãos) em que, a partir de um voto de castidade e renúncia do sacramento do matrimônio, ofertaram suas vidas como Esposas de Cristo. À exemplo de Santa Filomena, Santa Ágatha, Santa Inês, Santa Cecília, Santa Luzia e tantas outras mulheres, o Concílio Vaticano II reanimou esta prática de consagração do início da Cristandade para que através de seu testemunho, as consagradas Ordo Virginum encorajem o mundo contemporâneo em uma vida ascética e mística neste ícone da Igreja Esposa. São chamadas, portanto, a colocarem-se no contexto da sociedade pagã como sinal evidente da novidade do cristianismo e serem capazes de responder as mais profundas perguntas sobre o senso da existência humana.

Como vive uma consagrada Ordo Virginum?

Uma consagrada Ordo Virginum vive sendo uma cristã leiga como o bom fermento e o bom odor de Cristo em meio à sociedade. Residem com a própria família ou em casa própria, trabalham numa profissão - professoras, operárias, assistentes sociais, enfermeiras, bancárias, estudantes - no compromisso com a construção do Reino de Jesus Cristo no mundo. Cuidam da própria subsistência e previdência social, procuram engajar-se na pastoral e evangelização com todas as forças e meios disponíveis e fazem da Igreja Particular o grande amor e compromisso de sua vida.

Qual é o nosso carisma?

O carisma Ordo Virginum trata-se de um estado de vida a honrar a carne de Cristo, traduzindo-se no Amor Esponsal. Deve oferecer os frutos da intimidade da oração em fecundidade ao mundo e à Igreja, com valor profético de antecipação do Reino dos Céus e vigilante espera pela plena comunhão com o Senhor. Assim, a virgem consagrada endereça todas as energias e missão para ressignificar a realidade em Cristo, a partir do diálogo entre a graça divina e a liberdade humana.

O carisma comporta a virgindade, a esponsalidade e a maternidade espiritual, que segundo o documento Ecclesiae Sponsae Imago está em ordem de recolher todos os fragmentos de Cristo na História para a formação de uma grande Hóstia Magna - a oblação da própria vocação. Nesta operação do Espírito, a virgem consagrada oferta condições à humanidade para o encontro com Deus: o senso de gratidão pela obra divina, a contemplação, o gosto pela beleza, vivendo o sentido Pasqual da Existência.

A candidata deve ter completado a idade mínima de 25 anos e cumprir os seguintes requisitos:

+   Não tenha contraído núpcias ou vivido em estado contrário à castidade;

+  Tenha recebido todos os sacramentos da Iniciação Cristã;

+   Tenha vida moral e reputação reconhecidas;

+   Cultura mínima de oitava série;

+ Disponibilidade para a vida espiritual e pastoral comprometida;

+ Tenha equilíbrio psicológico, maturidade, bom senso e cultura;

+ Seja aceita pelo Bispo diocesano à Consagração.

Quais as condições para a admissão a esta forma de vida?
Como uma candidata se prepara à consagração?

Segundo o decreto da Santa Sé:

"Cabe ao Bispo determinar o modo e as condições pelas quais as candidatas obrigar-se-ão a abraçar perpetuamente esta modalidade de consagração."

Em nossa arquidiocese, a candidata é apresentada ao Bispo diocesano para uma entrevista, e sendo aceita, inicia-se o itinerário vocacional. Este percurso é composto pelo Propedêutico e Itinerário Formativo. O Propedêutico tem duração de 1 a 2 anos para que a candidata conheça a Ordo Virginum, concluindo essa etapa com o voto temporário. A partir de então, inicia-se o Itinerário Formativo durante três anos, nos quais a candidata renova o voto temporário por duas vezes. No último ano em que antecede a consagração definitiva, tem-se a avaliação vocacional com o escrutínio final para a admissão da candidata ao Rito de Consagração. 

Como é feita a consagração?

A consagração é presidida pelo Bispo em solene rito litúrgico através da fórmula consecratória  conforme o Rito de Consagração das Virgens. Recebem as insígnias do véu a ser usado nas celebrações litúrgicas, a aliança e a liturgia das horas.

A Igreja não as considera nem Congregação, nem Instituto Secular, embora a sua consagração seja: radical, pública e comunitária. As consagradas à Igreja Particular não são religiosas, não são regidas por constituições e não vivem necessariamente em comunidade, embora possam viver em associação.

São virgens consagradas dispostas a levar a sua inserção em Cristo - Batismo, Confirmação e Eucaristia - às últimas consequências.

É Congregação ou Instituto Secular?
Que serviços prestam à Igreja, as consagradas?

As consagradas, além de serem verdadeiros luzeiros da chama viva de amor, atraindo novas vocações para uma Igreja viva, são chamadas a dar testemunho de fé e vida cristã em sua profissão, com a própria família e onde estiverem. Devem santificar a Pastoral paroquial ou diocesana, segundo as possibilidades de cada uma: catequese, pastoral da criança, grupos de reflexão, formação de jovens, liturgia, animação de comunidades, atendimento paroquial, promoção humana, pastoral vocacional, ministério dos enfermos, secretariado paroquial e episcopal, etc.

Quais os deveres essenciais de uma consagrada?

Os deveres essenciais de uma consagrada Ordo Virginum consiste em assumir a consagração como estado de vida e princípio de doação conforme a condição e os carismas pessoais de cada uma, à atividade apostólica, às obras de penitência e misericórdia, à oração, com a recitação diária do Ofício Divino (oração oficial da Igreja) e viver em comunhão com o bispo diocesano.

Tem por missão: iluminar, abençoar, vivificar, levantar, cuidar e libertar, elaborando a cultura da fé com predileção aos pobres, sofredores e marginalizados com autêntica virtude da hospitalidade.